Comportamento Humano nas Organizações – Parte 1/5

Como Reduzir os Atestados Médicos na Empresa
Como Reduzir os Atestados Médicos na Empresa
29 de Julho de 2015
Comportamento Humano nas Organizações – Parte 2/5
Comportamento Humano nas Organizações – Parte 2/5
11 de Setembro de 2015

Comportamento Humano nas Organizações – Parte 1/5

Comportamento Humano nas Organizações - Parte 1/5

Desmembrando o Comportamento Humano nas Organizações – Parte 1

“Podem-se obter provas da natureza de um caráter também a partir de miudezas. Justamente nestas é que o homem, quando não se procura conter, é que revela seu caráter. Nas ações mais insignificantes, em simples maneiras, pode-se amiúde observar o seu egoísmo ilimitado, sem a menor consideração para com os outros e que, em seguida, embora dissimulado, não se desmente nas grandes coisas”

(Séneca – Arthur Schopenhauer, in ‘Aforismos para a Sabedoria de vida)

Sobre o Comportamento Humano

Não há como não citar Skinner quando se trata de comportamento. Para ele o Comportamento Humano é um campo da Psicologia Científica que passou a se interessar cada vez mais pela forma de portar-se, de proceder do ser humano. A interatividade do homem com seu o ambiente tornou-se objeto de estudo, visto que essas condições ambientais influenciam categoricamente no comportamento desse indivíduo, já que suas reações são provenientes dessa mesma circunstância.

“Nesse sentido o comportamento é entendido como uma relação interativa de transformação mútua entre o organismo (homem) e o ambiente que o cerca na qual os padrões de conduta são naturalmente selecionados em função de seu valor adaptativo”

(Wikipedia)

Dessa forma, pode-se então definir comportamento como uma designação genérica de cada modo de reação em face de um estímulo presente, ou seja, mais amplamente explicado, como qualquer atividade, fato ou experiência mental, passível de observação direta ou indiretamente.

Um Mundo Globalizado

Num mundo tão aberto, globalizado, moderno e repleto de conexões tecnológicas o comportamento humano torna-se passível de ser analisado nas mais diversas circunstâncias, dentro mesmo de organizações e instituições, já que o homem recebe influências desse meio que lhe determinam comportamentos diversos; ele é também ator e, pressupostamente um causador de emoções que influenciam seu entorno positiva ou negativamente.

“Um homem sincero e verdadeiro nas suas palavras, prudente e circunspecto nas suas ações, terá influência, mesmo entre os bárbaros do centro e do norte. Um homem que não é sincero, nem verdadeiro nas suas palavras, nem prudente, nem circunspecto nas suas ações, terá alguma influência, mesmo numa cidade ou numa aldeia. Quando estiverdes em pé,  imaginai as quatro virtudes (a sinceridade, a veracidade, a prudência e a circunspecção) conservando-as perto de vós, diante de vossos olhos. Quando estiverdes num carro, contemplai-as sentadas ao vosso lado. Desse modo, adquirireis influência.”

(Confúcio, in ‘Os Anacletos’)

Avaliação do Comportamento Humano nas Organizações

O comportamento humano tem sido uma condição de avaliação constante por parte da gestão em ambientes empresariais. O que o homem faz, a forma que realiza suas tarefas, suas atitudes, comprometimento, maneira de encarar os problemas e seus  relacionamentos interpessoais estão dando o tom, ininterruptamente, de sua performance dentro da organização. Essas pessoas são recursos dinâmicos, vivos e inteligentes nesse universo empresarial. Elas detêm grande capacidade de aprendizagem, de mudanças, de vencer desafios, porém para isso são necessários disponibilidade e coragem para conhecer o novo. E se isso, numa leitura superficial parece simples, por que então as pessoas não estão, muitas vezes, tão receptivas a atenderem essa demanda?

Em decorrência desses entraves pessoais, da incapacidade do indivíduo não ter uma visão sistêmica clara e de ter enrijecido dentro de si modelos mentais antiquados, ultrapassados, descomprometidos e até mesmo agressivos ou não desejáveis,  foi o que levou as organizações perceberam a necessidade de se abrir um novo espaço para um novo tipo de capacitação que atendesse a esse encetado modelo de perceber as pessoas. (Hebert Alexander Simon, em 1947 com o livro O Comportamento Administrativo)

Texto Original
MONTIJO, Aparecida  – TREINAMENTOS COMPORTAMENTAIS
(Capítulo 10) –  Editora Ser Mais – São PauloLivro Treinamentos Comportamentais (Comportamento Humano nas Organizações)

Leia também:
Comportamento Humano nas Organizações – Parte 2
Comportamento Humano nas Organizações – Parte 3
Comportamento Humano nas Organizações – Parte 4
Comportamento Humano nas Organizações – Parte 5

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *